Arquivos de tags: pastor

Yosef Nadarkhani está vivo março 2012


Yosef Nadarkhani está vivo março 2012

Após as conversas entre a Frente Parlamentar Evangélica e o governo federal, representado pela ministra chefe da Casa Civil, Gleisi Hoffman, e pelo ministro das relações exteriores, Antônio Patriota, novas informações sobre o caso do pastor Yousef Nadarkhani surgiram nas últimas horas.

Saiba mais

Anúncios

Fazer o tempo valer a pena.


Fazer o tempo valer a pena.

O prazer de aprender é algo que acontece na vida de alguém que tem como fruto em sua vida a mansidão e a humildade. Estar pronto a aprender de alguém é um exercício prazeroso para quem deseja alçar novos vôos.

Isso não vem no nascimento é algo aprendido com o tempo, pelas experiências passadas. Ao observar os resultados auferidos no caminho é que teremos a certeza de que estamos no caminho certo. Saiba mais

Atualidade


Vale tudo na Evangelização ?

Desde pregações em massa até os ringues de vale-tudo, pastores e Igrejas têm criado diferentes métodos de evangelismo em todo o mundo. Alguns pastores e grandes evangelistas, como Luis Palau e Billy Graham têm colocado em dúvida sobre se os resultados são bons para a formação da fé do recém-convertido ao Cristianismo. No Brasil, país onde os evangélicos constituem o grupo de maior crescimento anual (segundo o IBGE), alguns métodos evangelísticos têm chamado atenção por utilizarem meios contextualizados ao ambiente secular.

Em entrevista concedida ao The Christian Post, o Pastor Ciro Sanches Zibordi comenta sobre o evangelismo e os métodos evangelísticos utilizados pelas Igrejas no Brasil.

CP: Um dos seus artigos em seu blog fala sobre o método de evangelização em um evento evangelístico no Brasil (“vale-tudo na evangelizacão”), em que você comenta que a pregação expositiva da Palavra de Deus está sendo descartada ou menosprezada em favor de novos métodos. Poderia comentar-nos brevemente sobre a idéia do artigo sobre tais métodos “mundanos” praticados pelas Igrejas do Brasil?

Ciro Sanches Zibordi: A pregação expositiva, de fato, está em processo de extinção nas igrejas evangélicas, de maneira geral, não apenas no Brasil. O espaço destinado à pregação está sendo ocupado por atrativos diversos. Está havendo uma substituição do Evangelho cristocêntrico pelo antropocêntrico. Priorizam-se o povo, o público, os anseios do ser humano, e não o que deveria ser o objeto da nossa adoração e da nossa pregação, isto é, o Senhor Jesus (1 Coríntios 1.22,23; 2.1-5). O apóstolo Paulo disse: “Fiz-me tudo para todos, para, por todos os meios, chegar a salvar alguns” (1 Coríntios 9.22). Mas alguns líderes evangélicos estão pensando que esse texto autoriza todo e qualquer tipo de atrativo mundano, como street dance, luta livre, imitações de astros da música pop, etc. Esses líderes precisam considerar também 1 Coríntios 10.23. Afinal, todas as coisas são lícitas, mas nem todas convêm ou edificam.

Em meu livro “Evangelhos que Paulo Jamais Pregaria”, publicado no Brasil pela CPAD (Casa Publicadora das Assembleias de Deus), em 2006, eu discorro sobre o evangelho do entretenimento e menciono alguns “métodos” mundanos, como o emprego da festa junina e do dia de Halloween, rebatizados como festa jesuína e dia de Elohim. Ou seja, certos líderes dão às pessoas o que elas “querem,” e não o que elas “precisam.” Isso é um exemplo de má contextualização, pela qual se produz Cristãos com uma visão errada do Evangelho. Se oferecermos um Evangelho pop, vamos criar cristãos pop, ao invés de verdadeiros seguidores do Senhor Jesus, dispostos a negar o eu e tomar cada dia a sua cruz (Lucas 9.23).

Fonte:

%d blogueiros gostam disto: